Teste – Nova Canyon Strive: Enduro 29er.

Por | 10-05-2019 | Montanha

Aqui está ela em Portugal. A nova Canyon Strive foi lançada em Janeiro de 2019 e desde logo muito requisitada pela imprensa internacional para testes.

Em Portugal somos os primeiros (por enquanto únicos) a tê-la, e passamos-te as sensações deste “Avião” da marca alemã. (Vídeo no final).

Testámos a CFR 9.0 Team, que é um dos topos de gama (só existe a CFR 9.0 Ltd. acima desta na gama Strive), e é o modelo utilizado na Enduro World Series.

Com a nova Strive consegues voar sem necessidade de tirar o Brevet.

Com o lançamento desta nova Strive, a Canyon preenche assim a pequena lacuna que tinha na sua gama de bicicletas de Montanha, onde faltava uma bicicleta de Enduro 29er.

Este modelo vem posicionar-se entre a Canyon Torque (que tem 180mm. de suspensão) e a Canyon Spectral (que tem 150mm.), ambas com roda 27,5.

A Strive é uma nova versão do modelo que já existia na marca, o qual já tinha o sistema “Shapeshifter”, no entanto a bicicleta foi completamente redesenhada e esse sistema muito melhorado.

Os pontos em destaque da deste novo modelo são o novo sistema “Shapeshifter” e o facto de só existir em roda 29.

O novo Shapeshifter

Este é o sistema que torna esta bicicleta especial, e diferente de muitas outras.

Como dissemos anteriormente, o Shapshifter é um sistema que a marca desenvolveu em 2015, no entanto este deu alguns problemas de fiabilidade, e assim sendo a Canyon resolveu melhorar tudo, como?

Os alemães não facilitaram e à semelhança do que fazem outras marcas com alguns sistemas de suspensão, desenvolveram o Shapeshifter em colaboração com uma marca especialista em suspensões, neste caso a FOX.

De acordo com a marca o novo Shapeshifter promete ser muito mais fiável, no que respeita ao seu funcionamento, pelo que tivemos oportunidade de testar funciona na perfeição e de forma muito simples.

O que faz este sistema concretamente?

É um pequeno amortecedor (colocado entre o link do quadro e amortecedor principal) que accionado com um só “click” faz com que a bicicleta mude de geometria, e com que o amortecedor principal mude o seu funcionamento.

O pequeno amortecedor do Shapeshifter está colocado entre o link do quadro e amortecedor principal.

Na zona da testa do quadro o ângulo de abertura varia 1,5º, assim queiras descer (66º de abertura) ou subir (67,5º).

A zona do bloco pedaleiro baixa 36mm. no modo descida, e no modo subida o amortecedor assume uma função “pedal assist” ficando mais rijo que no modo descida.

Relembramos que para alterar os modos basta um click no trigger shapeshifter, tendo só o cuidado de carregar um pouco o amortecedor quando se quer alterar do modo descida para o modo subida.

Na fotografia, o trigger Shapeshifter em cima e o manipulo do espigão telescópico por baixo.

Na inversão modo subida para o modo descida, basta dar o click no trigger, e ao primeiro impacto que accione o amortecedor a geometria altera.

Enduro roda 29

Para criar espaço para as rodas maiores e melhorar o equilíbrio geral da bicicleta, as escoras cresceram 8 mm. para um total de 435 mm., isto tornou a bicicleta um pouco menos ágil em mudanças de direcção bruscas, como descrevemos mais abaixo.

Haverá quadros entre os tamanhos S e XL, para pessoas entre 1,58m. e os 2,0m. de altura, para saberes o teu tamanho de quadro colocas as tuas medidas no site da marca.

O modelo testado

A modo de brincadeira costuma-se dizer que acima dos €5.000,00 não existem bicicletas más.

De facto, no caso desta Strive CFR 9.0 Team confirma-se.

Quando falamos da Canyon a questão é outra: com este nível de equipamento, quanto pagarias noutra marca de referência como é a Canyon?

Falemos primeiro do quadro que tem um comportamento muito bom, é leve (esta bicicleta pesa 14,2 Kg’s em tamanho M), e tem óptimos pormenores de acabamento como a passagem interna de cabos.

Quadro bem conseguido e com desempenho de topo, resta-nos então analisar os componentes.

Por € 5.499,00 tens:

Suspensão RockShox Lyrik RC2 (modelo antes do topo de gama RC), e Rodas mavic Mavic Deemax Pro (gama alta).

Amortecedor RockShox Super Deluxe RCT (gama média), e Pedaleiro SRAM X01 Eagle em carbono.

Travões Sram Code.

Espigão de selim telescópico com “comand post” RockShox Reverb Stealth 1X.

E transmissão Sram X01 Eagle 1X12, com cassete 10/50 e prato 32D, que tem o desempenho já conhecido e aprovado por muitos, com uma precisão e rapidez de passagens muito, muito boas.

Enfim tudo o necessário para andares pelos trilhos, seja a descer ou a subir, sempre de pó, lama e sorriso nos lábios.

Tudo bem conseguido?

Na nossa opinião, só existe uma pequena falha que é a colocação do “comand post” do espigão telescópico estar por baixo do sistema shapeshifter, o que por vezes causa um pouco e confusão.

No entanto, este pequeno problema com mais habituação à bicicleta não se deve notar.

Nos trilhos

A bicicleta foi testada mais ao limite pelo Tiago Grácio (nosso piloto de Enduro e DH), e também por mim, Luís Beltrão (“a minha praia é mais o XC”), mas desde logo coincidimos numa opinião:

Nas raízes, pedras, buracos, rochas e irregularidades em geral, esta bicicleta voa e “come” tudo quase sem dares por isso. (ver vídeo no final).

De resto, dá-nos uma sensação de estabilidade e segurança acima de outras bicicletas do género, mas por outro lado, em zonas de trilhos a descer com curvas contra curvas mais apertadas ( mudanças de direcção bruscas ) é também um pouco mais “molengona” do que outras.

Tiago Grácio

Tanto o amortecedor como a suspensão (neste caso de 170mm. de curso, nos modelos CF 160mm.) parecem suficientes para abusos à séria.

As condições não estavam fáceis mas o Tiago levantou voo na mesma.

É necessário ser um piloto bem acima da média para explorar os limites tanto do amortecedor RockShox Super Deluxe RCT e suspensão RockShox Lyrik RC2 , como dos travões Sram code.

Piloto bem acima da média é o caso do Tiago Grácio, que para o tipo de bicicleta que é, achou que estes importantes acessórios cumprem bem a sua tarefa.

No cômputo geral é uma bicicleta muito bem conseguida por parte da Canyon, o sistema shapeshifter funciona bem, diferencia-a de outras e dá-lhe realmente uma capacidade de subida e pedalada nas transições entre trilhos muito boa.

A descer, o facto de ser uma 29er. dá-lhe as vantagens desse tipo de roda, e embora o ângulo de testa de quadro de 66º não seja dos mais arrojados a bicicleta é bem “despachada” em zonas mais agressivas dos trilhos.

Vídeo resumo dos dias de testes.

Todos os detalhes e gama completa da Canyon Strive, aqui no site da CANYON

Por: Luís Beltrão

Piloto: Tiago Grácio (Careca, para os amigos).

Fotografia: Jorge Branco

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Para colocar um comentário, deve ler e concordar com as normas RGPD abaixo:
Este formulário regista o seu nome, email e comentário para que possamos gerir os comentários colocados no nosso site. Para mais informação sobre como, porquê e onde armazenamos os seus dados por favor consulte a nossa Política de Privacidade.

Utilizamos cookies para garantir a funcionalidade e melhor experiência de navegação no nosso site. Saber mais