Entrevista a Julian Alaphilippe

Por | 17-11-2020 | Estrada, Notícias

Entrevista a Julian Alaphilippe. Ontem o campeão do mundo de estrada de 2020, concedeu uma entrevista exclusiva ao programa Bistrot Vélo do Eurosport França no qual falou sobre vários temas como o desaire na Liège-Bastogne-Liège, a queda na Volta a Flandres ou o sonho de conquistar a Volta a França.

Julian Alaphilippe

Sobre o seu título de Campeão do Mundo:

“Ser Campeão do Mundo é uma meta que me propus ao longo da minha carreira. Não necessariamente no início, mas quanto mais os anos passavam, mais eu dizia a mim mesmo que podia. Continuei a progredir, aprendi com meus fracassos, com meus erros. Ano após ano, chegávamos ao Mundial com ambições, cada vez com uma equipa mais forte, e funcionava.

Tornar o sonho realidade é especial! Aprendi a me canalizar, a fazer o esforço na hora certa. Nesse ponto é inegável, passei um marco e isso me ajudou a ganhar grandes corridas. No Mundial de Imola, isso era tudo o que eu tinha em mente e tínhamos uma equipa que foi construída em torno disso. Todos jogaram o jogo e funcionou bem, por isso é uma satisfação, uma felicidade. É algo que nunca vou esquecer. “

Sobre o percurso em Imola:

“Se tudo corresse bem, planeava atacar naquele momento [atacado a 17km]. Estás num momento em que não precisas mais te perguntar. Rapidamente entendi que, atrás de mim, eles iriam entender rapidamente, mas sempre mantive aqueles dez segundos que me permitiram chegar ao fim.

Para mim foi horrível: quando voltei ao circuito, ainda os via atrás de mim e foi muito difícil, não acreditei até 300 metros da chegada quando vi a linha à minha frente e não havia ninguém atrás de mim. Não tinha nenhuma informação; não tínhamos rádio, então virei-me muito e tentei perguntar à mota se tinha alguma informação.”

Sobre os seus sentimentos após o título:

“É um sentimento difícil de descrever. Queres fugir, também queres aproveitar esse estado de euforia, mas ao mesmo tempo, passei imediatamente para as Clássicas que também permaneceram como um objetivo importante para o fim da minha temporada.

Eu sentia-me pronto, estava motivado para as Clássicas e com a camisola de Campeão do Mundo foi uma motivação adicional, por isso não tive necessariamente tempo para voltar e desfrutar da minha camisola porque já estava a pensar nas Clássicas. “

Liège-Bastogne-Liège, a sua primeira corrida com a camisa do arco-íris:

“Cheguei a Liège motivado para vencer, para honrar a camisola, para me divertir. Estás dividido entre a vontade de fazer tudo bem e o cansaço, a pressão do Campeonato do Mundo já está lá. Temos a impressão de que está lá, mas não está lá.

Fiz a corrida muito bem até ao sprint, e todos se lembram do meu sprint. Foi um bom dia, toda a equipa fez um bom trabalho, corremos quase na perfeição.

Mas é uma decepção, não correu tudo bem depois disso. Quando cruzei a linha; sabia que não tinha ganhado. Na verdade, quando levanto os meus braços, eu realmente acho que ganhei e então ele [Primoz Roglic] passa-me na linha e eu arrependo-me de ter levantado os braços.

Os poucos dias entre Liège e Flèche Brabançonne foram um pouco difíceis: não fiquei necessariamente desapontado por perder a corrida, mas fiquei especialmente desapontado por ter cometido estes erros que são um pouco estúpidos. Acontece a todos, mas quando temos a camisola de Campeão do Mundo, o menor erro é imediatamente retransmitido. Isto vai-me ensinar uma lição. “

No Tour de Flandres e a sua queda:

“Não culpo Van der Poel, Van Aert ou a bicicleta de forma alguma. Não culpo ninguém e nem mesmo me culpo porque não fiz nada de errado, mesmo que possam dizer que estava a falar ao rádio, dizem que eu olhei para trás. Sinceramente, naquele momento não pude fazer nada. Estes são factos de corrida.

Van Aert foi buscar a sucção da mota, Van der Poel evita-a no último momento e não me avisou, mas não posso culpá-lo: estamos na final do Tour de Flandres e não pensamos necessariamente em avisar sobre tudo o que se passa na estrada. Fui eu quem levou com isto, é como é. Não há desculpa para encontrar uma desculpa. Temos que nos recuperar. “

Se ele só tivesse que vencer uma corrida:

“Depois de vencer o Campeonato do Mundo, definitivamente gostaria de ganhar o Tour de France. São as duas corridas que sempre me fizeram sonhar. Se houvesse apenas uma corrida para vencer, seria o Tour.”

Sobre o Tour de France 2021 e na temporada de 2021:

“É um bom percurso dá vontade de fazê-lo, as primeiras etapas caem-me bastante bem. De momento, ainda estamos longe. De momento, estou apenas a pensar na preparação para o início da temporada e o Tour sempre vem um pouco mais tarde.

No momento, não temos calendário oficial. Ainda estamos em discussão com a equipa; vamos estabelecer tudo isso talvez após a primeira ou segunda corrida. Com certeza, o Tour da Flandres é uma corrida que gostei e quero muito voltar a ela. Fará parte dos meus objetivos para o início da temporada do próximo ano.

Acho que vou fazer um grande bloco no início da temporada com todas as clássicas, mas ainda não falámos isso com a equipa, mas pode fazer parte dos planos. Paris-Roubaix é possível mais tarde, mas não necessariamente no próximo ano. “

Sobre Remco Evenepoel:

“Não estamos a falar de competição, estamos a falar de aliança. Temos uma equipa muito forte, todos sabem o que gostamos de fazer nas corridas, sempre ao ataque.

O Remco explodiu de imediato quando se juntou aos profissionais e continua a progredir ano após ano. Nós não estamos em competição, pelo contrário, fico muito contente quando ele ganha corridas e para ele acontece o mesmo. Depois, evitamos estar nas mesmas corridas porque não queremos que haja essa rivalidade mesmo que não exista.

Já fizemos algumas corridas em que ele correu para mim e onde eu o ajudei e funciona muito bem assim. ”

Fim de entrevista.

Agradecimentos: Ao Eurosport Portugal por nos passar a entrevista.

Subscreve a newsletter semanal para receberes todas as notícias e conteúdo original do MARRETAMAN.pt. Segue-nos nas várias redes sociais Youtube , Instagram , Twitter , e Facebook.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Para colocar um comentário, deve ler e concordar com as normas RGPD abaixo:
Este formulário regista o seu nome, email e comentário para que possamos gerir os comentários colocados no nosso site. Para mais informação sobre como, porquê e onde armazenamos os seus dados por favor consulte a nossa Política de Privacidade.

Utilizamos cookies para garantir a funcionalidade e melhor experiência de navegação no nosso site. Saber mais